A Importância dos Aspectos Imaginológicos da Rinossinusite na Odontologia: um Relato de Caso The Importance of the Imaginological Aspects of Rhinosinusites in Dentistry: a Case Report

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Graziela Pardini
Priscila Azeredo Lopes

Resumo

A rinossinusite é uma das patologias mais comuns que afetam os seios paranasais, sendo basicamente subdividida em aguda ou crônica. Os seios maxilares são os mais acometidos e sendo esses intimamente relacionados às raízes dos dentes posterosuperiores, é de suma importância que os cirurgiões dentistas detenham o perfeito conhecimento dos aspectos clínicos e imaginológicos dessa afecção. Objetivando o enfático direcionamento para a utilização da tomografia computadorizada, mais especificamente a tomografia computadorizada de feixe cônico, discutiu-se um caso clínico expondo a subjetividade da sintomatologia dessa afecção e do importante papel desse exame de imagem no diagnóstico assertivo e, consequentemente, em uma correta terapêutica.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Graziela Pardini, & Priscila Azeredo Lopes. (2020). A Importância dos Aspectos Imaginológicos da Rinossinusite na Odontologia: um Relato de Caso. Revista Naval De Odontologia, 47(2), 51-57. Recuperado de https://portaldeperiodicos.marinha.mil.br/index.php/odontoclinica/article/view/1231
Seção
Relatos de caso
Biografia do Autor

Graziela Pardini, Odontoclínica Central da Marinha, Marinha do Brasil

Clínica de Odontogeriatria, Odontoclínica Central da Marinha, Rio de Janeiro, Brasil

Priscila Azeredo Lopes, Odontoclínica Central da Marinha, Marinha do Brasil

Serviço de Radiologia Odontológica e Imaginologia, Odontoclínica Central da Marinha, Rio de Janeiro, Brasil

Referências

1. White SC, Pharoah MJ. Radiologia Oral: Princípios e interpretação. 7. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015. p. 472-491.
2. Santos RM. Desenvolvimento dos seios paranasais: estudo por ressonância magnética do crânio. [Tese de mestrado]. São Paulo: Universidade Federal do Estado de São Paulo (UNIFESP), 2002.
3. Souza RP, Brito J, Tornin JP, Júnior OSP, Oliveira AJ, Trindade CV. et al. Complexo Nasossinusal: Anatomia radiológica. Radiol. Bras.2006;39(5):367–372.
4. Pitrez, PMC, Pitrez, JLB. Infecções agudas das vias aéreas superiores - diagnóstico e tratamento ambulatorial. Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro.2003;79(1):77-86.
5. Anselmo-Lima WTA, Sakano E, Tamashiro E, Nunes AAA, Fernandes AM, Pereira EA. et al. Rinossinusites: evidências e experiências. Jornal Brasileiro de Otorrinolaringologia. São Paulo. 2015; 81(1):1-49.
6. Eidt AS, Chaves FA, Valvassori FN, Fogaça GS, Guerreiro RJ, Feller VM. Rinossinusite aguda. Acta Médica – Ligas Acadêmicas. 2018; 39(1): 307-313.
7. Rosso JA, Maurici R. Acurácia do exame clínico no diagnóstico da rinossinusite aguda em adultos: estudo comparativo com raio x de seios da face e tomografia computadorizada. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica. 2015 jul-set;13(3):169-74.
8. Diretrizes Brasileiras de Rinossinusites. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 2008;74(2): 6-59.
9. Caldas SN. Tratado de otorrinolaringologia, volume III: rinologia, cirurgia craniomaxilofacial e cirurgia plástica da face. 2.ed. São Paulo: Roca, 2011. p. 93-176.
10. Pinna FR, Bento RF. Manual de residência em otorrinolaringologia. Barueri, SP: Manole, 2018. p. 421-469.
11. Current AKL. CURRENT Otorrinolaringologia: cirurgia de cabeça e pescoço: diagnóstica e tratamento. 3.ed. Porto Alegre: AMGH, 2013. p. 289-300.
12. Anselmo-Lima WT, Sakano E, Tamashiro E, Nunes AAA, Fernandes AM, Pereira EA. et al. Rinossinusites: evidências e experiências. Um resumo. Braz. j. otorhinolaryngol. 2015;81(1): 8-18.
13. Figueiredo RR. Sinusite aguda. Revista Eletrônica do CESVA. 2008 mar-ago; 1(1):201-210;74(2): 6-59. (acesso em 12 Jul 2020). Disponível em: https://docplayer.com.br/8791187-Sinusite-aguda-figueiredo-r-r-definicao-e-fisiopatologia.html.
14. Dutra LD, Marchiori E. Tomografia computadorizada helicoidal dos seios paranasais na criança: avaliação das sinusopatias inflamatórias. Radiol. Bras.2002;35(3):161-169.
15. Araújo NSA, Souza AS, Pereira IMR, Baracat ECE. Anormalidades incidentais dos seios paranasais em pacientes pediátricos usando tomografia computadorizada da cabeça e órbitas. Radiol. Bras. 2005; 38(4):245-250.
16. De Grazia KJA. Prevalência de variantes anatômicas nasossinusais: importância no laudo radiológico e na cirurgia endoscópica funcional. Rev. chil. radiol. 2014 Mai; 20(1):4-5.
17. Kinsui MM, Guilherme A, Yamashita HK. Variações anatômicas e sinusopatias: estudo por tomografia computadorizada. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 2002 Out; 68(5):645-652.
18. Haiter FN, Kurita LM. Tomografia computadorizada em Odontologia. 1ed. São Paulo: Tota, 2013. p. 491-519.
19. Páez-Granda D. Sinusitis fúngica invasiva crónica: hallazgos radiológicos característicos. Rev Med Vozandes 2017;28:33 –34.
20. Lima CO, Devito KL, Vasconcelos LRB, Prado M, Campos CN. Sinusite odontogênica: uma revisão de literatura. Rev. Bras. Odontol. 2017; 74(1):40-44.